quarta-feira, setembro 05, 2018

Uma formação para gerar mais ensino transformador





Por Alexandre Barreto*


Em meu texto "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial", publicado em 2017, fiz um breve retrospecto da trajetória deste blog. Falei sobre o que me levou a criar este blog e sobre as realizações mais significativas. Tudo isso para mostrar um pouco do que esta caminhada produziu em minha vida. Por fim, falei da minha percepção de começar a disseminar mais conhecimentos, que não fossem apenas relacionados a produção e gestão cultural, produção executiva de shows e eventos ou carreiras artísticas. Vivendo um momento de vida bem diferente do que eu vivia quando iniciei o blog, cheguei a conclusão de que novas formas de perceber o mundo pedem uma nova produção de conteúdo. Comecei a escrever.

Falei sobre cidades inteligentes e desenvolvimento. Falei sobre uma mulher que é um exemplo de ética no uso de recursos financeiros. Falei sobre uma escola de música que transforma uma comunidade em guerra. Falei sobre um ator que teve sua vida transformada pelo teatro. Falei sobre inspiração a partir das coisas que a gente não consegue concluir. Falei da riqueza de se ter várias perspectivas. Estes e outros assuntos eu ia intercalando com os temas tradicionais do blog. Dei destaque para assuntos relacionados à Educação. Paralelo a isso, também do ano passado para cá, participei de um programa de pré-aceração de empresas inovadoras e startups onde o meu projeto foi de uma Edtech. Propus uma solução tecnológica para que facilitasse um processo de aprendizagem.

Hoje, olhando para trás, percebo que a criação do Programa Produtor Cultural Independente lá em 2011, constituído de cursos livres, para ampliar a oferta de ensino profissional, e a vontade de falar mais sobre Educação aqui no blog foram sinais de que se aproximava um novo momento importante em minha vida. O momento de que estou falando é o meu ingresso no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre (IFAC), na cidade de Rio Branco. O curso tem como objetivo proporcionar formação em educação profissional e tecnológica, visando tanto a produção de conhecimento como o desenvolvimento de produtos, por meio da realização de pesquisas que integrem os saberes inerentes ao mundo do trabalho e ao conhecimento sistematizado.

Junto comigo entraram muitos colegas legais. Em ordem alfabética:

Alexandre Barreto
Celle Cristianne Mendes Evangelista Belchior
Danielle Jacob Serra do Nascimento Rezende
Edvan Ferreira de Meneses
Elane Cristine Almeida da Silva
Francisco Cláudio Rodrigues Barbosa
Francislene Rosas da Silva
Jefferson Teixeira Sarmento de Lima
Josiane Aparecida Antonia Cestaro
Luana Roberta Souza Araujo Lima
Maria Cecília Pereira Ugalde
Maria Lionilde Araújo da Silva
Nick Andrew Pereira Ugalde
Patricia Haeser Ferreira Nery
Pollyana Rufino de Souza Oliveira
Roger Correa de Oliveira
Ronegildo de Souza Silva
Viviane Sampaio de Souza

A aula inaugural, que foi em 20 de agosto, teve um momento de boas vindas realizado pela professora Rosana Cavalcante dos Santos, reitora do IFAC, pelo professor Luís Pedro de Melo Plese, pró-reitor de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação, pelo diretor geral do Campus Rio Branco Wemerson Fittipaldy de Oliveira, pelo professor César Gomes de Freitas, diretor de Ensino, Pesquisa e Extensão do Campus rio Branco e pela professora Amélia Mª Lima Garcia, Coordenadora Substituta do Programa de Pós Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Foi muito interessante a história da criação do programa de pós-graduação, relatado pela reitora.

O segundo momento do dia foi a apresentação do programa de pós-graduação, realizada pela professora Amélia, também muito interessante.

O terceiro momento do dia foi a apresentação dos professores. Falaram os professores Luís Pedro de Melo Plese, João Ricardo Avelino Leão, César Gomes de Freitas, Charles Roweder, Josimar Batista Ferreira e a professora Amélia.

À tarde aconteceu o quarto e último momento do primeiro dia. Conhecemos a professora Josina Maria Pontes Ribeiro que ministrou a aula "Educação Profissional e Tecnológica: reflexões sobre o contexto histórico e  bases conceituais". 

Ao fim do primeiro dia, já deu para sentir algumas características que serão a tônica desta nova etapa: estudo analítico, imersão nas bases conceituais da Educação, multidisciplinaridade e pesquisa. Vem mais coisa boa pela frente.




*************************************



Nossa audiência: este blog já recebeu 752.121 visualizações de páginas (sem nenhum anúncio pago)


Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial





[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]



*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), MBA em Gestão Cultural pela Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no 
Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Alê é um empreendedor que dissemina conhecimentos e atua em redes para promover mudanças. Escreveu os livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

quinta-feira, julho 12, 2018

Oportunidade para assistente de produção na Rede Globo




Por Alexandre Barreto*


Se preparar nunca é demais. Em 2015, fiz um workshop de "Assistente de Produção" em SP. Algumas pessoas me questionaram na época: para quê fazer um workshop de assistente de produção, se na prática as empresas não valorizam a mão-de-obra qualificada? E eu respondi o mesmo que respondo até hoje: a forma de contratar pessoas para atividades profissionais nas cadeias produtivas da Economia Criativa está mudando. É uma mudança silenciosa. Mas muitas empresas já estão buscando pessoas qualificadas e algumas até estão criando seus próprios programas para formação de profissionais.

Vejam um bom exemplo disso: a Rede Globo divulgou no Linkedin o Programa Assistentes de Produção.

Quem está a fim de aprender a função de assistente de produção, se for selecionado, poderá participar de um programa de desenvolvimento estruturado. O programa contempla a oportunidade de atuar em produtos de dramaturgia e/ou variedades e existe ainda (o melhor de tudo) a oportunidade de fazer parte do time de assistentes de produção da Rede Globo.

Tá esperando o que para se inscrever?

Acesse o anúncio no Linkedin e candidate-se!




*************************************







[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]



*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS) e MBA em Gestão Cultural pela Universidade Cândido Mendes (RJ) . Empreendedor que dissemina conhecimentos e atua em redes para promover mudanças. Escreveu os livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

sexta-feira, junho 15, 2018

Samba e Amor: um bom exemplo de equilíbrio na construção de uma carreira artística e criativa





Por Alexandre Barreto*


Qual é a hora de lançar um álbum?

Segure a ansiedade. Essa é uma pergunta que não tem apenas uma resposta. Ela depende de cada contexto. Vou dar uma sugestão de resposta.

Se você está construindo um novo trabalho, de caráter autoral, como milhares de outros artista no país, você não vai escapar de duas tarefas importantes: a) construção de audiência; b) organização para articular, mobilizar e captar recursos.

Um bom exemplo disso é o que vem fazendo a banda "Samba e Amor" de Porto Alegre. Em sua campanha para o lançamento de seu primeiro álbum, Maria Luiza e Lucas explicam que estão trabalhando há cinco anos. Na época da busca pelo "sucesso instantâneo", chama atenção estes artistas se permitirem trabalhar em ritmo próprio. Com certeza isso vem contribuindo muito para o desenvolvimento artístico, para o conhecimento do negócio da música e do mercado e para a construção de uma audiência engajada.

Assista vídeos da Samba e Amor nos projetos Sofar Rio de JaneiroRed Bull Break Time, Garagem Sessions e no Youtube (se delicie com malemolência da interpretação de "Água de Beber", com um time de grandes músicos).

Conheça e participe da campanha deles no Catarse. Ninguém resiste a Samba e Amor.






Parabéns ao Unificado, Sou Alma, Boteco Matita Perê, Surfari, Casa Perky e Rio Grande Seguros e Previdência pelo apoio ao grupo.



*************************************







[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]



*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS) e MBA em Gestão Cultural pela Universidade Cândido Mendes (RJ) . Empreendedor que dissemina conhecimentos e atua em redes para promover mudanças. Escreveu os livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

quinta-feira, maio 03, 2018

"Eu não saia fazendo dívidas contando com o sucesso futuro"





Por Alexandre Barreto*


A frase acima podia muito bem ter sido falada por um professor de economia. Podia ter sido falada por um profissional de educação financeira. Contudo, ela foi falada pela artista e empresária Anitta.

Em sua participação no programa #ContaCorrente da Globo News, Anitta fala atitudes importantes para a gestão da carreira artística, que venho pesquisando há anos e que estão sintetizados no meu livro "Carreira Artística e Criativa", como visão estratégica, distribuição de conteúdos, construção de relação com o público, ter um acompanhamento de gestão de carreira, entre outras.

São muitas lições. Me marcou quando Anitta falou "acabei nesses sete anos aprendendo muito, porque fui errando e aprendendo com o erro". 





Outra surpresa bacana neste programa foi o depoimento do Micael Borges, ator e músico com quem trabalhei no Grupo Nós do Morro no Rio de Janeiro:

"o que eu aprendi de muito importante com a Anitta sobre gerenciar a carreira é que é necessário a gente se envolver na parte burocrática também. Aprender, conhecer, ter conhecimento de contratos, um pouco de administração, para você ter controle do seu trabalho, para você está inteirado com os profissionais que trabalham com você, está inteirado de todos os assuntos ligados a sua carreira, não só da parte gostosa que é a parte de criação".

O depoimento do Micael revela uma dificuldade, um problema, um obstáculo, uma verdadeira "dor" existente no caminho dos artistas, que é a dificuldade de lidar com as questões que não estão relacionadas a criação ou performance da música.

Assista a entrevista e amplie a visão sobre sua carreira.



*************************************







[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]



*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS) e MBA em Gestão Cultural pela Universidade Cândido Mendes (RJ) . Empreendedor que dissemina conhecimentos e atua em redes para promover mudanças. Escreveu os livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

sexta-feira, abril 06, 2018

Precisamos assumir a liderança e nos debruçar sobre equações impossíveis





Por Alexandre Barreto*


Uma das coisas que diferencia radicalmente a linha do meu trabalho da maioria dos produtores e gestores culturais brasileiros é que valorizo muito a inovação. Só consigo me abastecer com inovação pelo fato de não atrelar política partidária ao meu trabalho.

A outra coisa que diferencia radicalmente a linha do meu trabalho é que ele não se abastece somente de conhecimentos das ciências humanas. Eu me abasteço também (e muito) da Administração, que é uma ciência social aplicada.

Um bom exemplo disso aconteceu ontem. Participei da palestra de Oscar Motomura, CEO da Amana-Keyrealizada no Fórum Permanente de Desenvolvimento do Acre na Fecomércio, em Rio Branco. A participação no encontro foi proporcionada pelo programa de pré-aceleração de empresas inovadoras e startups do estado do Acre.





Oscar Motomura falou sobre o tema "liderança", uma verdadeira aula. Aliás, uma das melhores aulas que tive de administração na minha vida.

Dois momentos da palestra me marcaram muito. Um deles foi quando Oscar Motomura disse que "não podemos nos apegar ao paradigma que as mudanças são lentas". O outro foi sobre a necessidade de nos debruçarmos sobre as equações impossíveis, que são aquelas que as pessoas travam e desistem de pensar. Para isso, mostrou exemplos fantásticos de ações realizadas nos países da Estônia e Singapura. Na Estônia, limparam todas as florestas do país em 1 dia. Em Singapura, criaram uma cultura voltada para a experiência do consumidor.

Quando Oscar Motomura abriu para perguntas, falei sobre a necessidade de todos nós assumirmos o papel de líderes. É preciso nos debruçarmos sobre equações impossíveis.




Empreendedores do programa de pré-aceleração de empresas inovadoras e startups do estado do Acre com Oscar Motomura


Conheça mais sobre as mudanças radicais na Estônia.

Let´s Do It! Estonia

Country as a service (Estonian experience) - Kale Palling - TEDxAcademy

e-Residency : experimenting worldwide digital inclusion | Kaspar Korjus | TEDxGeneva



*************************************







[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]



*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS) e MBA em Gestão Cultural pela Universidade Cândido Mendes (RJ) . Empreendedor que dissemina conhecimentos e atua em redes para promover mudanças. Escreveu os livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

quinta-feira, abril 05, 2018

3 formas de começar uma carreira do zero







Uma pergunta que recebo com frequência é sobre "como começar".

Vejamos um e-mail que recebi recentemente.


[início do e-mail]

Conheci seu blog por meio de um comentário seu numa postagem sobre produção cultural.


Estou cursando Produção Cultural e gostaria de uma luz. Ainda não tenho experiência em nenhuma na área e gostaria muito de começar, mas não tenho muita noção de onde procurar, já que sempre que tento entrar em contato com produtoras, elas buscam pessoas com experiência.

Como eu começo?

[fim do e-mail]



Batalhar por uma oportunidade de trabalho começando do zero é um desafio. Mas não é um desafio exclusivo de quem está buscando trabalho na área de produção cultural. É um desafio em qualquer profissão. E para este desafio, não existe uma resposta única.

É importante lembrar também que quando se está começando do zero, não temos quase nenhum poder de barganha. Vale a pena focarmos na prioridade número 1 de quem está começando: desejo de aprender.


Primeira forma de começar do zero: utilize seu tempo livre

Mesmo que você não tenha nenhuma experiência, você tem um recurso em abundância: tempo livre. Muitos trabalhos necessitam mais de disponibilidade de tempo do que de uma longa experiência ou complexas habilidades. Quando procurar um trabalho, mostre que você tem bastante tempo disponível. 


Segunda forma de começar do zero: menos currículo e mais corpo a corpo

Divulgar nosso currículo é importante. Quando mais rápido respondermos a uma solicitação de currículo, mais estaremos demonstrando nosso interesse. Contudo, mais importante que o currículo é o "corpo a corpo". 

Comunique a todos na sua volta que você está procurando trabalho. Não tenha vergonha. No diálogo com colegas, vizinhos, amigos, familiares, conhecidos, procure descobrir o contato de pessoas para quem pode se apresentar como alguém que está procurando trabalho. 


Terceira forma de começar do zero: ofereça-se para trabalhos voluntários

Procure situações de trabalho em que você possa oferecer o seu trabalho de forma voluntária. Trabalhar de forma voluntária é uma ótima oportunidade para você demonstrar qualidades que são procuradas no mercado de trabalho, como atitude, iniciativa, organização, disciplina, motivação, capacidade de trabalhar em equipe e resiliência.



Um breve recado sobre a importância do trabalho artístico na vida do país



Outra dificuldade quando se começa do zero é ter poucos argumentos para rebater críticas das pessoas que adoram dizer que "atividades artísticas não são trabalho".

Em meu livro "Carreira Artística e Criativa", que o meu filho João Gabriel está segurando na  foto acima, esclareço que "(...) a existência da carreira profissional artística, o reconhecimento e o conhecimento de informações sobre a mesma e a estruturação do mercado para o seu exercício são ainda muito recentes. Tais fatos isolados ou em conjunto fazem com que muitas pessoas avaliem a carreira profissional artística com base em estereótipos, comparem-na com outras carreiras mais antigas e concluam que há mais dificuldades do que possibilidades. A representação de que a carreira artística é desvantajosa em relação a outras carreiras quase sempre é alimentada a partir da comparação de oferta de emprego, condições de trabalho e salário, fatores importantes no processo de escolhas profissionais, aos quais são atribuídos diferentes graus de importância conforme o contexto e o estágio de vida que uma pessoa se encontre".

Assim, falar com propriedade é fundamental. Se você está pretendendo iniciar uma carreira artística e criativa, quando alguém lhe disser que "arte e cultura não são prioridade", aproveite para esclarecer esta pessoa que arte e cultura geram valor e inovação.


"(...) as atividades culturais e criativas são vocações do Brasil; constituem ativos econômicos muito relevantes; têm alto impacto sobre a geração de renda, emprego, inclusão e valor agregado; respondem por 2,64% do PIB, um milhão de empregos diretos, 200 mil empresas e instituições e mais de R$ 10,5 bilhões em impostos; e apresentam um imenso potencial de crescimento e de contribuição para o desenvolvimento do país. O poder público precisa encarar a cultura como uma área estratégica, por sua dimensão simbólica, cidadã e econômica. Uma área, aliás, que costuma dar ao governo e à sociedade muito mais do que recebe como investimento direto ou incentivo fiscal. E uma área que precisa, para se desenvolver plenamente, de um equilíbrio entre seus segmentos, agentes, elos, cadeias de valor e modos de produção e acesso".



*************************************







[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]



*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS) e MBA em Gestão Cultural pela Universidade Cândido Mendes (RJ) . Empreendedor que dissemina conhecimentos e atua em redes para promover mudanças. Escreveu os livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

sexta-feira, março 23, 2018

Morre Miranda, um produtor musical que incentivou muitas carreiras artísticas e criativas







Ontem à noite, veículos de comunicação começaram a noticiar a súbita morte do produtor musical Carlos Eduardo Miranda. Com um vasto currículo, Gordo Miranda deixou um importante legado de contribuições para a música brasileira.


Sempre respeitei muito a sua curadoria musical. Em junho de 2009, época em que estava morando no Rio de Janeiro, escrevi um rápido texto, aqui no blog, sobre uma entrevista dele que eu havia lido na revista Bravo. Miranda falava sobre a carreira na música. Na época me chamou muito a atenção o trecho da entrevista que transcrevo abaixo:


Revista Bravo: Analisando o cenário atual, como você acha que um artista iniciante deve planejar sua carreira?

Miranda: Hoje existem mais possibilidades e condições de se iniciar uma carreira com autonomia. Só que isso traz junto mais responsabilidades. O artista tem de tomar conta do próprio nariz. Começa que a concorrência é enorme. O barateamento das tecnologias possibilitou que muitas pessoas passassem a produzir música. As pessoas têm estúdio em casa. Então, vá lá e faça. As carreiras têm de ser autogeridas. O artista tem de saber botar sua música na internet e saber brigar pelo palco. A equação é internet mais rua. Rua, que eu digo, é o cara assistir a shows, conhecer os lugares nos quais gostaria de tocar, conhecer os outros músicos da sua cena. O artista tem de ser público também. Não é mais o artista lá e o fã aqui. Você tem de pensar que tem uma loja. Por que as pessoas vão comprar na sua e não na outra? O artista está num mercado disputando a atenção das pessoas, uma atenção que é completamente dispersa. E os meios tradicionais ainda são importantes. O cara tem de tentar chegar ao jornal, chegar à rádio. Se for muito carismático, pode dar uma sorte e emplacar. Mas depender só de sorte e carisma, no mundo de hoje, não é viável. O cara tem de construir o caminho para decolar, se preocupar em ter um baita show. Daí é que virá o seu dividendo. Como o público já pega a música de graça na internet, ele só vai te dar dinheiro se quiser. É o conceito de amigo, que o MySpace usa muito bem. O artista tem de ser amigo do fã. Daí o fã vai pensar: "Esse aqui eu quero ver bem, esse faz um trabalho caprichado, vai levar o meu dinheiro".




O relato do Miranda, com vasta experiência no convívio com artistas (diferente de muitos youtubers que hoje querem dar dica sobre carreiras e sucesso, sem ter quase nenhuma vivência...), me fez refletir. Elaborei questões na época para os leitores do blog, mas que são atuais até hoje:


- você já percebeu que é importante definir se quer tocar como livre exercício de sua criatividade ou construir uma carreira profissional na música?

- você tem noção do que é construir uma carreira profissional?

- você entende que a vida de um artista não é apenas a visão romântica e aventureira que lemos nas entrevistas, releases ou biografias, que nela também existe competição?

- você parou para pensar que as novas tecnologias de comunicação, principalmente a internet, podem contribuir para você ter mais autonomia?

- você tem noção de que a música, no âmbito profissional, possui uma cadeia produtiva, onde várias atividades econômicas acontecem, relacionadas a produção, distribuição, comercialização e consumo. Quem é o consumidor da sua música





Miranda (à esquerda) e Thunderbird conversando no Canal Music Thunder Vision 



Muita gente irá lembrar dele como músico do rock gaúcho dos anos 80, como repórter da revista Bizz ou pela sua atuação como jurado nos programas de TV "Ídolos" (derivado do programa britânico "Pop Idol"), "Astros" e "Qual é o seu talento?". Para mim, vai ficar a lembrança de um profissional que foi um verdadeiro mentor de muitas carreiras artísticas e criativas. Miranda atuou como se fosse uma incubadora de artistas, através da ação empreendedora de apostar na diversidade da música brasileira, seja através dos selos independentes que criou, seja através da Trama Virtual, precursor serviço de hospedagem de música de artistas da gravadora Trama.


Assista o Miranda falando sobre sua carreira na entrevista do Vitrola Verde de 2013:



Miranda - Entrevista#01: "Banguela, Titãs e bandas dos anos 90"



Miranda - Entrevista#04: "A cena independente, Manguebeat, Música do Pará e prod. musical"




*************************************








[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]



*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS) e MBA em Gestão Cultural pela Universidade Cândido Mendes (RJ) . Empreendedor que dissemina conhecimentos e atua em redes para promover mudanças. Escreveu os livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

terça-feira, março 20, 2018

Circuito #CulturaGeraFuturo percorrerá as cinco regiões do Brasil para capacitar produtores culturais e gestores públicos




Por Alexandre Barreto*



Em janeiro o Ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão lançou a campanha "Cultura gera valor". O objetivo é mobilizar a sociedade para compreensão da Cultura como um ativo que gera emprego, renda, inclusão e que promove um desenvolvimento mais justo e sustentável.

Uma das ações é o Circuito #CulturaGeraFuturo. Segue abaixo informações do site da campanha.


Circuito percorrerá as cinco regiões do Brasil, entre abril e julho, com objetivo de capacitar produtores culturais e gestores públicos
15 de Março de 2018


O Ministério da Cultura (MinC) vai percorrer as cinco regiões do Brasil, entre abril e julho, com o Circuito #CulturaGeraFuturo, que tem o objetivo de capacitar produtores culturais e gestores públicos para lidar com os mecanismos de fomento à cultura disponíveis no Governo Federal. Equipes do MinC estarão nas 27 capitais brasileiras, levando orientações sobre a Lei Rouanet, a Lei do Audiovisual, o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e outros mecanismos. Haverá também um módulo voltado a patrocinadores.

Durante o lançamento do Circuito #CulturaGeraFuturo, nesta quinta-feira (15), em São Paulo, o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, anunciou que a primeira capital a receber o evento será Macapá (AP), no próximo dia 2 de abril. O Amapá foi um dos três estados onde não houve captação de recursos via Lei Rouanet em 2017. Os outros foram Acre e Roraima. “Queremos mudar este cenário e ampliar o uso dos mecanismos de fomento à cultura em todas as regiões. Vamos capacitar e estimular proponentes e gestores públicos, qualificar projetos e atrair mais patrocinadores”, disse o ministro.

Em 2018, há R$ 1,35 bilhão para a Lei Rouanet; cerca de R$ 300 milhões para a Lei do Audiovisual; e cerca de R$ 1,2 bilhão para o programa #AudiovisualGeraFuturo, via Fundo Setorial do Audiovisual (FSA).

O secretário de Fomento e Incentivo à Cultura do MinC, José Paulo Soares Martins, destacou a importância do contato direto com quem atua e investe na cultura. “Não se administram mecanismos de fomento importantes como esses ficando apenas num gabinete em Brasília. É preciso conhecer de perto a realidade do País”, disse Martins.

Os encontros do Circuito #CulturaGeraFuturo terão formato de seminário, com duração prevista de um dia em cada capital. Uma equipe da Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura, responsável pela gestão da Lei Rouanet, explicará como funciona este que é o principal mecanismo de fomento à cultura do País, orientando os participantes e tirando dúvidas sobre a apresentação de projetos.

Depois, técnicos da Agência Nacional do Cinema (Ancine) e da Secretaria de Audiovisual (SAv) do MinC falarão sobre as oportunidades no campo do audiovisual, inclusive os novos editais do programa #AudiovisualGeraFuturo, lançados em fevereiro e março, que contam com R$ 551 milhões do FSA. Também participarão técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e de outras áreas. O ministro também participará de diversas etapas.


Conheça o site da campanha #CulturaGeraFuturo



Veja a apresentação do circuito


Calendário de encontros do Circuito #CulturaGeraFuturo:
(a
s datas poderão sofrer alterações)

02 de abril – Macapá (AP)
06 de abril – Fortaleza (CE)
09 de abril- Brasília (DF)
13 de abril – Porto Velho (RO)
16 de abril – Rio Branco (AC)
20 de abril- Belo Horizonte (MG)
23 de abril – Maceió (AL)
26 de abril – Florianópolis (SC)
04 de maio – Curitiba (PR)
07 de maio – Natal (RN)
11 de maio – Campo Grande (MS)
18 de maio – João Pessoa (PB)
21 de maio – Porto Alegre (RS)
25 de maio – Rio de Janeiro (RJ)
28 de maio – Salvador (BA)
08 de junho -Palmas (TO)
11 de junho – Goiânia (GO)
15 de junho – Aracaju (SE)
18 de junho – Recife (PE)
22 de junho – Belém (PA)
26 de junho – Vitória (ES)
29 de junho – Boa Vista (RR)
02 de julho – Manaus (AM)
06 de julho – São Luís (MA)
09 de julho – Teresina (PI)
13 de julho – Cuiabá (MT)
16 de julho – São Paulo (SP)


Fonte: http://culturagerafuturo.com/circuito-culturagerafuturo-estara-em-27-capitais/


*************************************









[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]



*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS) e MBA em Gestão Cultural pela Universidade Cândido Mendes (RJ) . Empreendedor que dissemina conhecimentos e atua em redes para promover mudanças. Escreveu os livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

sábado, março 03, 2018

Ministério da Cultura e Unesco lançam Manual de Exportação de Bens e Serviços Culturais






Por Alexandre Barreto*



Após dois meses envolvido com minha esposa e filho (João Gabriel nasceu na virada do ano) e com o projeto da startup Musical Work no programa de pré-aceleração de empresas inovadoras e startups do estado do Acre, estou hoje retomando as postagens. E começo 2018 com boas notícias. Compartilho abaixo as informações publicadas no site do Ministério da Cultural dia 01/03/2018.


MinC lança primeiro manual de exportação de bens e serviços do setor cultural


O Ministério da Cultura (MinC), em parceria com a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), lançou nesta quinta-feira (1º) o primeiro Manual de Exportação de Bens e Serviços Culturais. Com vistas a estimular os empreendedores a levarem a diversificada produção cultural brasileira para além das fronteiras do País, o manual apresenta orientações sobre os caminhos para exportar.



O lançamento ocorreu em São Paulo, com a presença do ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, e de empresários, empreendedores culturais e artistas. Também participaram do evento representantes do escritório Cesnik, Quintino e Salinas Advogados, responsável pela elaboração do guia.



"A economia criativa no Brasil já tem um peso econômico muito significativo, correspondente a 2,64% do PIB, cerca de 1 milhão de empregos diretos e R$ 2,5 bilhões em arrecadação de impostos. Mas nossa produção cultural e criativa ainda é muito voltada ao mercado interno, salvo honrosas exceções", afirmou Sá Leitão. "É uma obrigação da política cultural incentivar os nossos empreendedores culturais para que eles possam, cada vez mais, buscar a circulação de seus bens e serviços no exterior. Precisamos exportar mais e esse manual é para isso, para facilitar a vida do empreendedor cultural", destacou.

"O Brasil tem um potencial enorme de exportação de bens e serviços culturais. Mas tem muita gente que não sabe nem por onde começar. O Manual dá aos potenciais exportadores o caminho das pedras para buscar mercados fora do País", destacou o secretário da Economia da Cultura do MinC, Mansur Bassit.

O Manual de Exportação de Bens e Serviços Culturais, disponível no portal do MinC, abrange cinco segmentos da indústria criativa: TV e Mídias Digitais, Cinema, Música, Games e Publicidade. Concebido a partir da visão estratégica da cultura como ativo econômico do País, o guia reúne informações que estão dispersas em diversos órgãos, facilitando agora a vida do empreendedor cultural disposto a exportar.

A ferramenta traz informações sobre acesso a mercados, exigência de vistos, regimes tributários, cobrança de taxas, necessidade de documentos adicionais, procedimentos e prazos de tramitação, modelos de contratos, feiras de negócios, além de links de instituições públicas e privadas envolvidas no processo de exportação. Também congrega dados das atividades criativas e projeções de crescimento do segmento no Brasil e no mundo nos próximos anos.


Cenário promissor

O Manual de Exportação de Bens Culturais surge diante de um cenário promissor e se soma a diversas outras medidas que vêm facilitar as exportações para o empreendedor cultural brasileiro.


Apesar da crise econômica mundial, nos últimos anos, a exportação de bens e serviços culturais praticamente dobrou no mundo, segundo a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad). Entre 2005 e 2015, as exportações de serviços culturais passaram de US$ 15,4 trilhões para US$ 33,8 trilhões. No mesmo período, as exportações de bens culturais foram de US$ 118 trilhões para US$ 191 trilhões.



O Brasil também segue a tendência de ampliação das exportações, mas projeções de consultorias especializadas indicam que o País tem potencial de aumentar sua participação no mercado cultural internacional, considerando a alta produção brasileira de bens e serviços deste segmento.



A indústria cultural e criativa vai crescer a índices superiores aos da economia tradicional, tanto no Brasil quanto no mundo, segundo projeções de consultorias econômicas. E o mercado de mídia e entretenimento no Brasil deve crescer a taxas superiores às da média mundial: 4,6%, enquanto a projeção da média mundial é de 4,2%, até 2021, segundo a PricewaterhouseCoopers (PwC).

As exportações de serviços audiovisuais brasileiros cresceram 138,9% entre 2014 e 2016. Em 2016, o Brasil vendeu para outros países mais de US$ 176 milhões.


Cooperação


O manual vai preparar os produtores culturais para a abertura do mercado internacional à produção nacional, amparada por acordos internacionais assinados pelo governo brasileiro e em processo de negociação. O Brasil é signatário de diversos acordos, protocolos de entendimento, declarações e outros instrumentos de direito internacional para cooperação cultural.



Além disso, o Ministério da Cultura articula cooperação com instituições como a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e Confederação Nacional da Indústria (CNI) para que bens e serviços culturais sejam integrados às ações e programas de exportações dessas entidades.



Outra ferramenta que vai facilitar as exportações é o ATA Carnet, um passaporte aduaneiro internacional, emitido pela CNI em um prazo de 24 a 48 horas, que permite a exportação e a importação temporária de produtos livre de impostos de importação por um ano. É válida em 77 países, incluindo o Brasil, desde 2016.

O MinC também lançou este ano, em parceria com a Unesco, um edital para contratação de empresa que fará o mapeamento tributário da cadeia produtiva de setores da economia da cultura, cujo objetivo é elaborar estudo para o fortalecimento dessas cadeias produtivas no Brasil.

No primeiro momento, serão estudados os regimes regulatório e tributário incidentes sobre cinco setores culturais – música, mercado editorial, audiovisual, jogos eletrônicos e artes visuais. A ideia é identificar aspectos jurídicos e normativos relevantes que incidem sobre esses setores e propor medidas para aperfeiçoar os ambientes regulatórios e de negócios. As propostas serão recebidas até a próxima segunda-feira (5).








*************************************









[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]



*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS) e MBA em Gestão Cultural pela Universidade Cândido Mendes (RJ) . Empreendedor que dissemina conhecimentos e atua em redes para promover mudanças. Escreveu os livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e Criativa. Saiba mais