sábado, outubro 19, 2019

Livro "Aprenda a Organizar um Show" disponível no portal americano Academia.edu - share research



Por Alexandre Barreto*

Com sua redação e edição dos textos iniciada em agosto de 2006, o primeiro capítulo do livro "Aprenda a Organizar um Show" foi publicado dia 25 de outubro de 2007 no portal colaborativo Overmundo. Contabilizando até hoje 391 mil downloads de seus capítulos, o livro está disponível no portal americano Academia.edu - share research.

O livro (ebook) tem a capa Everson Nazari, ilustrações de Yara Baungarten​ e edição de Rodrigo DMart​.  A versão impressa do livro contou também com o prefácio escrito pelo produtor cultural e professor doutor da UFBA Leonardo Costa​, com o trabalho de gestão de projeto, produção gráfica, produção executiva a cargo da Imagina Conteúdo Criativo (empresa do Rodrigo e da Yara) e diagramação de Manuela Kanan.


O livro trata de forma direta e com linguagem simples assuntos relacionados a produção de shows e eventos como perfil do produtor executivo, definição da data e do local do show, cronograma de atividades, divulgação, recolhimento de direitos autorais, credenciamento, bilheteria, passagem de som, desmontagem, avaliação e registro do projeto, entre outros.

A primeira estratégia de divulgação do livro foi o que Chris Anderson (físico e escritor norte americano) chama de "poder do Free" (ver livro Free: the future of a Radical Price) . O acesso gratuito a "Aprenda a Organizar um Show" fez com que a publicação se torna-se uma espécie de "best seller" da internet. Lembro que em 05 de julho de 2008 recebi um e-mail do Rodrigo DMart, parceiro responsável pela edição do livro, me parabenizando que havíamos ultrapassado os 30 mil downloads dos fascículos. Mais adiante, em janeiro de 2010, o livro já tínhamos chegado aos 128 mil downloads dos fascículos. Em 2016, já havíamos ultrapassado os 26 mil leitores da obra completa (todos os fascículos do livro). 

E maio de 2019, última vez que fiz a contagem, os números eram os seguintes:

- o livro já tinha ultrapassado os 391 mil downloads de todos os fascículos publicados separados;
- a obra completa já havia sido lida por mais de 30 mil pessoas.

A segunda estratégia de divulgação foi disponibilizar o livro sob a licença Creative Commons, que permite que as pessoas possam copiar, distribuir e criar obras derivadas da publicação, desde que sejam compartilhadas pela mesma licença e para uso não-comercial.

Isso incentivou que o livro fosse divulgado espontaneamente por internautas. E teve até internauta que fez questão de baixar todos os fascículos, juntá-los num arquivo único e publicá-lo novamente. Assim, se você digitar no Google "Aprenda a Organizar um Show", vai encontrá-lo em blogs, sites, portais.

Verifiquei que os links para baixar os fascículos no portal Overmundo não estão mais funcionando. Mas o livro continua disponível na rede.

Um dos endereços que você pode encontrá-lo é no portal Academia.edu, plataforma fundada em 2008 em São Francisco (USA) por Richard Price, com o objetivo disponibilizar trabalhos acadêmicos gratuitamente on-line e acessíveis a qualquer pessoa. O upload do arquivo foi feito por Leonardo Souza.


Acesse "Aprenda a Organizar um Show" na plataforma Academia.edu

https://www.academia.edu/8393682/Aprenda-a-Organizar-um-Show-Al%C3%AA-Barreto



*************************************



Nossa audiência: este blog já ultrapassou 800.000 visualizações de páginas (alcance orgânico, sem nenhum anúncio pago)


Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


[Gostou do conteúdo? 
Obrigado! Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com . Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador (EA/UFRGS), produtor independente e MBA em Gestão Cultural pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro, mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT) e professor de Administração da Produção, Administração de Materiais e Logística. Saiba mais

quinta-feira, setembro 26, 2019

Tom McLeish explica porquê não se fala sobre a natureza imaginativa da ciência




Por Alexandre Barreto*


O Jornal Nexo publicou a tradução do texto "
Science is deeply imaginative: why is this treated as a secret?", de Tom McLeish, feita por Cecilia Inamura. 

O texto é uma reflexão muito importante sobre a imaginação.

Se você faz parte de uma geração onde se acha normal ter que ficar lendo mensagens e respondendo mensagens o tempo todo, independente do sentido, qualidade ou do resultado que isso vá trazer para sua vida, experimente ler este texto. Leva um pouco mais de tempo do que ler uma mensagem no whatsapp e menos tempo do que ler um livro. Mas irá ajudar você a perceber que a ciência, a tecnologia, a inovação, está diretamente relacionada a capacidade de imaginar.

Link para a matéria



*************************************



Nossa audiência: este blog já recebeu 800.782 visualizações de páginas (orgânicas, sem nenhum anúncio pago)


Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


[Gostou do conteúdo? 
Obrigado! Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com . Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador (EA/UFRGS), produtor independente e MBA em Gestão Cultural pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro, mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT) e professor de Administração da Produção, Administração de Materiais e Logística. Saiba mais

domingo, julho 14, 2019

Diego Goldberg: uma vida dedicada a fotografia






Para trabalhar com alegria e prazer, é necessário alimentarmos nossa inspiração. Para isso, sempre busquei em entrevistas e biografias o alimento para o meu trabalho. Principalmente relatos de pessoas que dedicaram boa parte de sua vida para seus projetos. 
Ao lembrar disso, procurei na web algo que pudesse trazer este estímulo para os artistas produtores e para os produtores artistas.

Me deparei com o canal argentino "Fotoforum", com a entrevista sobre a carreira do fotógrafo Diego Goldberg.





*************************************



Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


[Gostou do conteúdo? 
Obrigado! Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com . Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), produtor e gestor cultural com especialização pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Autor dos livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

domingo, maio 12, 2019

Ter ou não ter Ministério da Cultura no Brasil, eis a questão

Teixeira Coelho/ crédito: jcrs.uol.com.br



Por Alexandre Barreto*



O impacto da extinção do Ministério da Cultura e sua incorporação ao Ministério da Educação, ocorrida em janeiro deste ano ainda é uma incógnita. O assunto divide opiniões. E não é de hoje. Começou nos anos 80, com a luta pelo desmembramento do Ministério da Cultura que desde 1953 estava atrelado ao Ministério da Educação. Depois, em 1990, foi transformado em Secretaria da Cultura no governo Collor, vinculada à Presidência da República. Em 1992 teve esta situação revertida no governo Itamar Franco. Em 2016, após o Impeachment da presidente Dilma Roussef, novamente foi extinto e reincorporado ao Ministério da Educação, decisão que foi revertida meses depois.

O que me chamou atenção neste episódio é que tanto as defesas quanto os ataques feitos ao Ministério da Cultura não levaram em consideração a necessidade de se pensar sobre o fato em si: devemos ter ou não ter um Ministério da Cultura?

Lembrei então de uma entrevista que a BBC Brasil fez sobre o episódio de 2016, com Teixeira Coelho, no qual ele apresenta um ponto de vista sobre o tema. Para quem não o conhece, é um dos maiores intelectuais sobre o tema políticas culturais no Brasil. Um pouco do currículo dele, extraído do site do Itaú Cultural: possui graduação em Direito (1971) pela Universidade de Guarulhos, mestrado em Ciências da Comunicação (1976) pela ECA-USP, doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada (1981) pela FFLCH-USP e pós-doutorado pela University of Maryland, EUA (2002). É professor titular aposentado e Professor Emérito da ECA-USP. Foi diretor do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP (1998-2002), curador-coordenador do Museu de Arte de São Paulo (MASP) (2006-2014), co-curador da Bienal de Curitiba 2013 e curador-chefe da Bienal de Curitiba 2015. Foi professor de Teoria da Informação e Percepção Estética e de História da Arte da Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie . É especialista em Política Cultural e colaborador da Cátedra Unesco de Política Cultural da Universidad de Girona, Espanha. É coordenador do curso de especialização em gestão e política cultural do Observatório Itaú Cultural. Ficcionista, é também autor de diversos livros sobre cultura e arte. Ganhou o Prêmio Portugal Telecom 2007 pelo livro História Natural da Ditadura, publicado em 2006.


Leia a entrevista





*************************************



Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


[Gostou do conteúdo? 
Obrigado! Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com . Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), produtor e gestor cultural com especialização pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Autor dos livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

quarta-feira, abril 24, 2019

Novas formas de pensar cinema e de se relacionar com ele






Por Alexandre Barreto*




A frase que dá título a este post saiu do texto "Das telas do cinema às plataformas digitais: novas formas de ver e criar", que está no site do Itaú Cultural, de autoria da Milena Buarque Lopes Bandeira. Segundo consta no site, foi produzido durante a terceira edição do evento Encontros de Cinema, que reuniu no Rio de Janeiro, nos dias 15 e 16 de abril, diretores, pesquisadores, roteiristas, produtores, jornalistas e gestores desse setor.



Acesse o texto



*************************************



Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


Conheça nosso canal no YouTube


[Gostou do conteúdo? 
Obrigado! Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com . Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), produtor e gestor cultural com especialização pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Autor dos livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

sexta-feira, abril 19, 2019

Diogo Sales fala sobre sua participação em Game of Thrones




Por Alexandre Barreto*


O mestrado tem tomado todo meu tempo. Mas quando dá, lembro de compartilhar os assuntos que considero importantes para quem busca profissionalizar sua atuação em arte, comunicação, cultura e entretenimento.

Diogo Sales, ator com quem trabalhei no Grupo Nós do Morro, deu um depoimento muito interessante sobre sua carreira como ator. E fala sobre sua participação na série Game of Thrones. Vale a pena ler.


Acesse a Revista Época


*************************************



Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


Conheça nosso canal no YouTube


[Gostou do conteúdo? 
Obrigado! Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com . Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), produtor e gestor cultural com especialização pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Autor dos livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

segunda-feira, fevereiro 04, 2019

Tem novo canal sobre produção cultural no ar: Dedé Ribeiro!




Por Alexandre Barreto*

 
Está no ar um novo trabalho de difusão do conhecimento em produção e gestão cultural. Estou falando do canal da querida mentora, amiga e parceira Dedé Ribeiro. 

Ficou curioso?

Acesse então o canal dela no Youtube

http://www.youtube.com/dedéribeiro




*************************************


Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


Conheça nosso canal no YouTube


[Gostou do conteúdo? 
Obrigado! Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com . Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), produtor e gestor cultural com especialização pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Autor dos livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

sexta-feira, fevereiro 01, 2019

Algumas memórias do Produtor Independente - parte 1




Por Alexandre Barreto*


Dia 28 de abril de 2014, recebi um convite da Sabrine Muller para participar de um trabalho de graduação do seu curso de produção cultural na Cândido Mendes (RJ). A Sabrine havia assistido uma mesa que eu havia participado no III Encontro Nacional de Produção Cultural na UFBA, em outubro de 2013.


Então em maio de 2014, lá estávamos eu, Sabrine e o Bruno Gouveia, em Laranjeiras, no Rio de Janeiro. Regados a uma boa cerveja artesanal no Glicerina, falei por uma hora sobre o meu trabalho e sobre como percebo algumas questões polêmicas no trabalho artístico, cultural, criativo.

Link dos vídeo com os primeiros 30 minutos.




*************************************



Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


Conheça nosso canal no YouTube


[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), produtor e gestor cultural com especialização pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Autor dos livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

sábado, janeiro 19, 2019

Marcelo Yuka deixa um importante legado: verbos à flor a pele

Reportagem sobre o filme do Yuka no Programa Especial



Por Alexandre Barreto*


Uma das passagens mais marcantes do período em que morei no Rio de Janeiro foi ter contato com a inspiração das letras de Marcelo Yuka: as duras desigualdades sociais que assolam o nosso país.


Em cada rua do Rio de Janeiro, fosse no asfalto, fosse nos morros, estavam ali os personagens, os cenários e os dramas narrados nas músicas da primeira fase do Rappa, na qual Marcelo Yuka liderava as composições. Cheguei inclusive a morar no Vidigal e conhecer as locações e os atores do Nós do Morro que fizeram parte do clipe da música "A minha alma (a paz que eu não quero)", grande vencedor do Vídeo Music Brasil 2000 da MTV.: Melhor Clipe de Rock, Melhor Direção, Melhor Fotografia, Melhor Edição e Melhor Clipe do Ano. Um dos atores, o jovem Ramon Francisco, foi carregado por Yuka no dia premiação. É a criança de óculos que aparece no início do clipe e que todos chamam de "gigante".

Yuka, como carinhosamente e artisticamente era chamado e sempre será lembrado por todos, fui conhecer em 2012, no Observatório de Favelas, na Maré. Um cara generoso. Tinha prazer de falar com os jovens das favelas. Gostava muito de conversar. Brincalhão. Sarcástico. Mas muitas vezes ficava com o semblante sério. Dava a impressão de que ele o tempo todo estava elaborando alguma coisa que depois iria se tornar uma nova letra, uma nova música.

Para muitas pessoas, trata-se de um músico do Rappa que foi alvejado por bandidos no Rio de Janeiro e que havia ficado paraplégico e saído da banda. Mas Yuka era muito mais do que isso.

Para sorte de todos nós, um pouco antes dessa sua partida precoce, Daniela Broitman (que aparece à esquerda na foto) dirigiu o documentário "Marcelo Yuka no Caminho das Setas". Segundo as próprias palavras da Daniela "é um filme sobre a transformação na vida de uma pessoa", que começa "com essa busca pela paz externa mas termina com a busca da paz interna".



Daniela Broitman e Marcelo Yuka




Procure conhecer mais sobre o pensamento e a obra artística dele. Marcelo Yuka deixa um importante legado: a necessidade de se plantar no chão do céu da boca verbos à flor a pele.


Trailer do programa "Hoje eu desafio o mundo sem sair da minha casa"

Marcelo Yuka e Daniela Broitman no "Sempre um Papo"

Sua relação especial com o corpo: Marcelo Yuka no TEDxSudeste

Bem-ditas web show - episódio 4 - especial Marcelo Yuka

Marcelo Yuka - Papo Reto

Marcelo Yuka deu sua música e pediu o fim das fronteiras do mundo

Entrevista "Marcelo Yuka: não superei nada e nem quero"

Livro "Não se preocupe comigo" (biografia de Marcelo Yuka) 

Marcelo Yuka no Caminho das Setas (trailer oficial)


*************************************



Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


Conheça nosso canal no YouTube


[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), produtor e gestor cultural com especialização pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Autor dos livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

sexta-feira, dezembro 14, 2018

Medida Provisória 846 arrecadará anualmente mais de 400 milhões de reais para o Fundo Nacional de Cultura


Medida Provisória 846 é sancionada em cerimônia no Palácio do Planalto 

(Foto: Clara Angeleas / Ascom MinC)



Por Alexandre Barreto*


Segue notícia publicada pela assessoria de comunicação do Ministério da Cultura (MinC).


Presidente sanciona MP 846, que garante repasse de recursos das loterias para Fundo Nacional de Cultura

Em cerimônia no Palácio do Planalto, nesta quarta-feira (12), o presidente da República, Michel Temer, sancionou a Medida Provisória (MP) 846, aprovada pelo Senado. A MP destina parte dos recursos da arrecadação das loterias para o Fundo Nacional da Cultura (FNC). De acordo com a medida, que ganhará status de lei, serão destinados ao FNC, em 2019, 2,91% da arrecadação das loterias de prognósticos numéricos, como Mega Sena e Quina; além de 1% das loterias esportivas e 0,5% da Loteria Federal. O fundo também receberá 0,9% da arrecadação com a Loteria Instantânea Exclusiva (Lotex). A expectativa é de que o FNC receba, anualmente, cerca de R$ 444 milhões de reais.

Estiveram presentes à cerimônia os ministros da Cultura, Sérgio Sá Leitão; dos Esportes, Leandro Cruz; da Segurança Pública, Raul Jungmann; da Defesa, Joaquim Silva e Luna; e dos Direitos Humanos, Gustavo do Vale Rocha.

Sá Leitão, que teve participação ativa nas negociações para elaboração da MP 846, celebrou a sanção e disse que a lei é um claro reconhecimento da importância do setor cultural e da política pública de Cultura para o desenvolvimento do País e também para a redução da violência e da criminalidade. "Trata-se de uma grande vitória para a cultura brasileira", disse ele.

O ministro da Cultura ressaltou a importância de que os recursos de fato cheguem ao setor, já que há vários anos os repasses para o FNC vem sendo alvo de contingenciamento. "Esses recursos precisam ser direcionados diretamente aos projetos culturais, por meio de um programa de fomento direto capaz de complementar a Lei Rouanet e acelerar o crescimento das atividades culturais e criativas em todas as regiões do país. O impacto positivo sobre a geração de renda, emprego, inclusão, arrecadação e desenvolvimento será imenso", enfatizou.

O presidente Temer destacou que foi uma evolução extraordinária para área da Cultura. "Apoiamos as verbas para a segurança pública sem desmerecer as verbas para Esportes e Cultura", observou em seu discurso. Ao comentar sobre manifestações críticas sofridas no início do governo, Michel Temer destacou que "o que fica, no fim, é o mérito. E ele está assegurado pelo que fez o ministro Sérgio Sá Leitão à frente dessa pasta".

Para o ator Marcos Frota, "os números da cultura brasileira são muito altos, a quantidade de empregos, de público, de equipamentos, as secretarias espalhadas por todo o País": "Eu que ando por aí afora com o circo, eu vejo secretarias de cultura com projetos incríveis em todas as áreas. Então estava já na hora do Fundo (Nacional da Cultura) poder atender a essas expectativas".

Também participaram da cerimônia a secretaria da Diversidade Cultural, Magali Moura, e os secretários de Fomento e Incentivo à Cultura, José Paulo Soares Martins; e da Economia Criativa, Douglas Capela. Representantes da classe artística, como os atores Jorge Pontual e Cássia Linhares, compareceram ao evento.


Histórico

No dia 12 de junho, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) a medida provisória 841, que reduzia sensivelmente a participação do FNC na arrecadação das loterias. Diante da medida, o ministro Sá Leitão publicou nota oficial sobre a importância da manutenção do repasse de recursos para o FNC.

Em seguida, no dia 31 de julho, o presidente Michel Temer sancionou a Medida Provisória 846, que modificava a 841. A nova MP restabelecia e aumentava as porcentagens de repasse da arrecadação das loterias para o FNC, além de assegurar os recursos para o Esporte e para o Fundo Nacional de Segurança Pública. A sanção foi resultado de manifestação apresentada pelo MinC e pelos ministérios dos Esportes e da Segurança Pública.

Após trâmite pelo Congresso Nacional, a MP foi aprovada pelo Senado Federal no dia 22 de novembro. O texto aprovado trouxe algumas mudanças com relação ao original. Confira a evolução das porcentagens destinadas ao FNC em cada versão das MPs, na tabela abaixo:




Fundo Nacional da Cultura 

O Fundo Nacional da Cultura é um fundo de natureza contábil, com prazo indeterminado de duração, que funciona sob as formas de apoio a fundo perdido ou de empréstimos reembolsáveis, com prioridade para realização de seleções públicas com comissões representativas, independentes e específicas, habilitadas a avaliar o mérito artístico-cultural das propostas concorrentes.

Constitui o principal mecanismo de financiamento de programas, projetos e ações culturais, e funciona em regime de colaboração entre os entes federados, com transferência "fundo a fundo", e com o incentivo feito por meio da renúncia fiscal.


Fonte: 
Assessoria de Comunicação do Ministério da Cultura 




*************************************


Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


Conheça nosso canal no YouTube


[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), produtor e gestor cultural com especialização pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Autor dos livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

sexta-feira, dezembro 07, 2018

O que rolou na primeira edição do Mercado das Indústrias Criativas do Brasil (MicBR)


Vídeo conceito da Ordem do Mérito Cultural 2018



Por Alexandre Barreto*


O Ministério da Cultura (MinC) publicou uma série de matérias no portal G1, relacionadas a primeira edição do Mercado das Indústrias Criativas do Brasil (MicBR), evento promovido pelo próprio MinC e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Transcrevo abaixo os links. Acredito que traz uma visão bem mais ampla do papel estratégico da Economia Criativa para um país das dimensões do Brasil.

Nestes textos, você verá uma retomada da visão sobre a importância da dimensão econômica da cultura, através da ação do Ministro Sérgio Sá Leitão. Terá contato com o pensamento do britânico John Newbigin a respeito da criatividade e do trabalho neste século, contato com a nova visão da Moda do japonês Kunihiko Morinaga, vai conhecer os números da Indústria Cultural no Brasil e muitos outros temas interessantes.


Evento em São Paulo destaca contribuição da cultura para a economia

Na abertura do MicBR, que movimenta a capital paulista até domingo com rodadas de negociações, palestras e atividades artísticas, ministro celebrou o potencial do setor

https://g1.globo.com/especial-publicitario/cultura-gera-futuro/noticia/2018/11/07/evento-em-sao-paulo-destaca-contribuicao-da-cultura-para-a-economia.ghtml


“A criatividade será o combustível deste século”, diz gestor público britânico
Em megaevento sobre indústria criativa em São Paulo, John Newbigin mostrou como a cultura pode ser a saída para enfrentar as transformações do mercado de trabalho.

https://g1.globo.com/especial-publicitario/cultura-gera-futuro/noticia/2018/11/07/a-criatividade-sera-o-combustivel-deste-seculo-diz-gestor-publico-britanico.ghtml


“A moda não deve ficar restrita ao que se vê”, diz estilista de roupas inteligentes
Japonês Kunihiko Morinaga criou vestimentas que mudam de cor de acordo com a luz e têm sensores que captam obstáculos e facilitam a vida de deficientes visuais.
https://g1.globo.com/especial-publicitario/cultura-gera-futuro/noticia/2018/11/08/a-moda-nao-deve-ficar-restrita-ao-que-se-ve-diz-estilista-de-roupas-inteligentes.ghtml


Em gráfico, veja a importância da indústria criativa para o crescimento da economia
Atividades culturais contribuem para o desenvolvimento, gerando emprego e renda

https://g1.globo.com/especial-publicitario/cultura-gera-futuro/noticia/2018/11/08/em-grafico-veja-a-importancia-da-industria-criativa-para-o-crescimento-da-economia.ghtml


“A cultura é um antídoto contra a indiferença”, afirma ex-secretário de Medellín
Jorge Melguizo falou sobre a experiência da cidade com um plano de longo prazo de desenvolvimento do setor

https://g1.globo.com/especial-publicitario/cultura-gera-futuro/noticia/2018/11/09/a-cultura-e-um-antidoto-contra-a-indiferenca-afirma-ex-secretario-de-medellin.ghtml


Painel em evento sobre indústria criativa discute transformações do mercado de trabalho
Debate mediado pela jornalista Maria Prata tratou do impacto da tecnologia nos postos de emprego e nas relações pessoais.

https://g1.globo.com/especial-publicitario/cultura-gera-futuro/noticia/2018/11/09/painel-em-evento-sobre-industria-criativa-discute-transformacoes-do-mercado-de-trabalho.ghtml


Painel propõe aproximação da cultura com a tecnologia para sustentar crescimento
Edson Mackenzie e Lucas Foster trataram dos desafios do setor em debate no Mercado das Indústrias Criativas do Brasil (MicBR), em São Paulo

https://g1.globo.com/especial-publicitario/cultura-gera-futuro/noticia/2018/11/09/mercado-de-realidade-virtual-busca-crescer-com-aplicacoes-para-diferentes-setores.ghtml


Apresentações para curadores ajudam artistas a ampliar contatos em evento da indústria criativa
Mostra na Funarte incluiu espetáculos de dança e teatro voltados para representantes de festivais internacionais.

https://g1.globo.com/especial-publicitario/cultura-gera-futuro/noticia/2018/11/09/evento-de-industria-criativa-movimenta-a-avenida-paulista-com-atracoes-culturais.ghtml


Negócios, debates e diversão: evento em São Paulo mobiliza a indústria criativa

Por sete dias, MicBR teve uma geração de negócios estimada em US$ 10 milhões, discutiu o futuro da cultura e lotou a Paulista com feiras e atrações artísticas

https://g1.globo.com/especial-publicitario/cultura-gera-futuro/noticia/2018/11/12/negocios-debates-e-diversao-evento-em-sao-paulo-mobiliza-a-industria-criativa.ghtml


*************************************



Nossa audiência: este blog já recebeu 763.698 visualizações de páginas (sem nenhum anúncio pago)


Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


Conheça nosso canal no YouTube


[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), produtor e gestor cultural com especialização pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Autor dos livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

sábado, outubro 27, 2018

Assista também a Temporada 2 da série Expresso Futuro





Por Alexandre Barreto*


Dando continuidade ao post "Conheça os temas que estão pautando a inovação, tecnologia e comportamento", publico neste os links da 
Temporada 2 dsérie "Expresso Futuro" do Canal Futura. Ronaldo Lemos mergulha em temas como privacidade, cultura hiperconectada, internet das coisas,cibersegurança, governo e tecnologia, fake news e manipulação, biotecnologia, blockchain, entre outros.




Ronaldo Lemos é advogado, especialista em mídia, propriedade intelectual e tecnologia. É um dos criadores do Marco Civil da Internet e renomado autor de livros, artigos e pareceres, no Brasil e no exterior. É mestre em direito pela universidade de Harvard e doutor em direito pela USP. É representante no Brasil do MIT Media Lab. Foi professor visitante nas Universidades de Princeton e Oxford. Membro do Conselho de Administração da Mozilla, do Hospital Oswaldo Cruz e de várias organizações nas áreas de inovação e tecnologia. Foi eleito em 2015 pelo Fórum Econômico Mundial como um dos Jovens Líderes Globais. É colunista da Folha de S.Paulo e da revista Trip. É diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITSrio.org) e professor da cadeira de Direito da Internet da UERJ. É colunista e apresentador da Globonews para temas relacionados a tecnologia.

Seguem os links.

Temporada 2 (2018)

Temp. 2 Privacidade
Ronaldo fala dos mitos e verdades sobre privacidade, e os dilemas do uso de dados pessoais por empresas e governos. Com qual tipo de coleta de dados deveríamos nos preocupar?
http://www.futuraplay.org/video/privacidade/434980/

Temp. 2 Desconectar é Preciso
Cada vez mais há uma preocupação com o excesso e a dependência da tecnologia. Ronaldo fala sobre a importância de se desconectar, os efeitos da tecnologia em crianças, e os cuidados que podemos tomar.
http://www.futuraplay.org/video/desconectar-e-preciso/443440/

Temp. 2 Internet das Coisas
No futuro, tudo estará conectado a internet. Ronaldo investiga esse fenômeno global e mostra porque o Brasil decidiu apostar nesse tema e criar um plano nacional de Internet das Coisas.
http://www.futuraplay.org/video/internet-das-coisas/443476/

Temp. 2 Cibersegurança
Se a internet é a resposta para muitos problemas, a cibersegurança é a pergunta. Quais são as ameaças para os usuários, empresas e governos? Ronaldo investiga os riscos de estarmos sempre conectados.
http://www.futuraplay.org/video/ciberseguranca/443479/

Temp. 2 Governo e Tecnologia
Como a tecnologia pode ajudar o governo a prestar melhores serviços? Ronaldo mostra como as GovTechs, tecnologias governamentais, podem trazer benefícios para governos e a sociedade civil.
http://www.futuraplay.org/video/governo-e-tecnologia/438913/

Temp. 2 Fake News e Manipulação
Como é possível combater a epidemia de fake news? Ronaldo conversa com especialistas para entender como as notícias falsas são criadas e como podemos nos prevenir e não ser manipulados.
http://www.futuraplay.org/video/fake-news-e-manipulacao/438910/

Temp. 2 Cultura Hiperconectada
Ronaldo investiga como a tecnologia está mudando o consumo de cultura e a produção musical, audiovisual e artística através de novas ferramentas, como a realidade aumentada.
http://www.futuraplay.org/video/cultura-hiperconectada/436711/

Temp. 2 Biotecnologia e o Futuro da Saúde
O que acontece quando a biotecnologia sai dos laboratórios e é disseminada entre entusiastas? Ronaldo analisa as inovações do movimento diy da biotecnologia e mostra avanços na área da saúde.
http://www.futuraplay.org/video/biotecnologia-e-o-futuro-da-saude/436705/

Temp. 2 Contratos Inteligentes
A revolução do blockchain vai muito além do bitcoin. Ronaldo mostra como essa nova tecnologia e os contratos inteligentes podem trazer inovações para o futuro.
http://www.futuraplay.org/video/contratos-inteligentes/436708/

Temp. 2 Identidades Digitais
Ronaldo se torna e-cidadão da Estônia e mostra como as identidades digitais vão transformar o que significa ser governo, cidadão e também a prestação de serviços públicos.
http://www.futuraplay.org/video/identidades-digitais/436714/


Assista também a Temporada 1.



*************************************



Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


Conheça nosso canal no YouTube


[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), produtor e gestor cultural com especialização pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Autor dos livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

quarta-feira, outubro 24, 2018

Como aumentar sua audiência sem precisar ficar horas lendo...





Por Alexandre Barreto*


Se você vasculhar a maioria dos blogs e canais sobre o tema "audiência", vai perceber que todos repetem a mesma coisa:


- "o conteúdo é que manda";

- "o principal é o conteúdo";

- "produza conteúdos relevantes".

Ao encontrar esta repetição de respostas, lá se vão aspirantes a Youtubers para frente de suas câmeras para produzir conteúdos. Depois de um tempo, começam a perceber que mesmo produzindo e subindo vídeos todos os dias para a web, não aumenta o número de curtidas nas páginas, não aumenta o número de seguidores.

Como nossos criativos resolvem este problema? Começam a fazer buscas no Google atrás de dicas arrasadoras. Após lerem as dicas arrasadoras, lá vão nossos incansáveis jovens das gerações X, Y e Z na direção de uma nova produção de vídeos. Novamente, depois de um tempo, não aumenta o número de curtidas nas páginas, não aumenta o número de seguidores. Então, o que fazer?


Aumentar a audiência é como resolver um problema


Trabalhar aumento de audiência é resolver um problema. Como se resolve um problema? Primeiro você precisa interpretar um problema, extrair dados e após você busca analisar se existe alguma fórmula para resolver este problema.


Qual é o seu problema com audiência?

Defina qual é o seu problema com audiência. Você quer aumentar sua audiência no Facebook? Quer aumentar sua audiência no Instagram? Quer aumentar sua audiência no Youtube?

Se você quiser fazer "tudo ao mesmo tempo", precisará muito mais tempo. E talvez você não disponha de todo o tempo necessário para criar, produzir, fazer disparo, responder, analisar retorno em todas as mídias que deseja.


Estabeleça um marco zero

Definida qual mídia (ou quais mídias) pretende aumentar a audiência, estabeleça o marco zero, ou seja, o ponto a partir do qual vai começar a acompanhar.

Se for começar hoje, anote. Veja um exemplo:

"tenho na data de 24/10/2018 na página do Facebook um total de 230 curtidas".

É algo simples, mas ao longo do tempo vai lhe ajudar a comparar. Você poderá ver o crescimento diário, semanal, mensal e anual.


O que você produz para as pessoas, volta para você em aprendizado

Se você seguiu métodos infalíveis sobre gatilhos mentais, frases de impacto, neurolinguística, publicidade, propaganda, etc., mas verificou que não aumentou sua audiência, pare de fazer como o aluno que não sabe resolver o problema e fica repetindo a fórmula que já tentou antes. Tente algo novo.

Experimente olhar seu trabalho no Facebook, Instagram ou Youtube não apenas como mídia.

Vasculhe todo o período de postagem, a partir do "marco zero", e verifique a reação às suas postagens. Qual post teve mais curtidas? Teve curtida de pessoas além de seus amigos? Teve compartilhamento? Teve comentário? Quantas visualizações teve o seu vídeo?

Seu trabalho no Facebook, Instagram ou Youtube é uma forma de aprender sobre as pessoas que consomem o seu conteúdo.


Hoje, quem é o seu público ou quem são os seus públicos?

Olhando as reações às suas postagens, conseguiu perceber quem é o seu público? Você pode pensar que pelo fato do seu texto, música ou filme ser similar ao de um artista famoso, que o público é o mesmo. Mas é importante fazer o que no mundo das startups chamamos de VALIDAÇÃO. Você precisa conhecer quem é o seu público. Num primeiro momento, saber faixa-etária e localização geográfica podem ajudar muito. Mas não fique só nisso. Vá além.


Quais são os interesses dos públicos que você quer atingir?

Já pensou a quantidade de interesses que um determinado público pode ter? A diversidade é muito grande. Mas avaliando o retorno em suas postagens, você poderá perceber que determinados assuntos despertam mais o interesse das pessoas. 


Agora chega de teoria

Comece a praticar.



*************************************




Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


Conheça nosso canal no YouTube


[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), MBA em Gestão Cultural pela Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Alê é um empreendedor que dissemina conhecimentos e atua em redes para promover mudanças. Escreveu os livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais