sábado, abril 03, 2010

A troca é um dos alicerces da construção de um trabalho independente


Regina Célia de Aguiar, presidente da Associação Beneficiente de Jardim Ideal II, comunidade carente de Belford Roxo, RJ, falando na oficina de Redes Comunitárias do SESC


Por Alê Barreto
Administrador, produtor cultural independente e palestrante


Muita gente começa a aprender a fazer produção sem recursos. Começa a esboçar algumas ideias, conversar com algumas pessoas e vai aos poucos realizando pequenas ações culturais.

Quando se tem tempo, conhecimento e recursos, as coisas andam num ritmo razoável. Quando não se tem muito tempo ou conhecimento, mas se tem os recursos, as coisas continuam andando. Mas quando não se tem os recursos (financeiros, materiais, equipe capacitada, etc), nossas ideias demoram a virar realidade.

Nesta situação, o caminho que me parece mais adequado a seguir é o da troca.


Aprenda a negociar

A arte de trocar começar com a arte de negociar. No sistema capitalista, o princípio fundamental da troca é da lei da oferta e da procura. Este princípio muitas vezes leva a trocas desiguais. Experimente propor trocas mais equilibradas, que gerem benefícios mútuos sem oprimir uma das partes.


Aprenda a oferecer

Na área cultural as pessoas tendem a ser muito ariscas e desconfiadas. Dê o primeiro passo. Procure as pessoas e ofereça os produtos e serviços que você tem disponível. Não espere que os outros comecem. Comece você.


Aprenda a comunicar o valor do que você tem

Pare de dizer "eu tenho um estudiozinho, se você quiser gravar lá...". Fale "olá, eu sou dono de um estúdio, tenho algumas horas livres e vi que você ainda não gravou seu Cd. Gostaria de agendar uma reunião com você para vermos possibilidade de trocas e negócios".

Sua boca é sua assessora de imprensa. Utilize ela em seu favor. Nunca menospreze as suas próprias habilidades, produtos e/ou serviços.


Aprenda que o mundo está inacabado

Por mais difícil que pareça o contexto em que você se encontra, lembre-se: o mundo não está acabado. Ele está em mutação. Se hoje o secretário de cultura de sua cidade não apóia seus projetos, lembre-se que ele não é eterno. Se não conseguiu sensibilizar um produtor para incluir seu show na programação de um evento, não fique eternamente remoendo isso. Se sua cidade é um lugar difícil para trabalhar com cultura, talvez você possa ir morar em outro lugar e retornar no futuro.

O importante é não ficar pensando que as coisas não mudam. Mudam sim.

Comece a trocar e você verá que muita coisa pode ser feita.

Um comentário:

Rodrigo disse...

Boa Tarde Ale Barreto.

Sou Rodrigo de Santa Catarina.
Teria como eu ter seu contato direto, caso possivel voce me mandar um e-mail rodrigosouza_7@hotmail.com, adorei suas postagens. Gostaria de conversar sobre o assunto.