quinta-feira, maio 26, 2011

Games são cultura?

Continue from Filipe Gontijo on Vimeo.




Por Alê Barreto*
alebarreto@gmail.com


Esta semana foi nota 10 em termos de aprendizado! Assisti terça uma aula da professora Lia Calabre na qual debatemos um pouco sobre "o que é cultura". Num determinado momento, entrou a questão da tensão entre os conceitos de cultura, indústria cultural e entretenimento.

Muita gente, no Brasil e no mundo, utiliza como distinção entre o que é cultura e o que não é cultura, o recorte de classe. Por este viés, quem é "povão" não teria cultura e quem é rico sabe o que é cultura. Um paradigma ultrapassado. Há quem guie o seu entendimento sobre o que é cultura a partir do pensamento do alemão Theodor Ludwig Wiesengrund-Adorno, filósofo, sociólogo, musicólogo e compositor da chamada Escola de Frankfurt.

Adorno criou o conceito de indústria cultural. Trata-se de uma crítica a lógica cultura do sistema capitalista. Um tema estudado em quase todos os cursos de comunicação e produção cultural do Brasil. De acordo com este filósofo, a produção em série de conteúdos para cinema e rádio não poderiam ser consideradas arte, pois seriam apenas negócios. Este paradigma, na minha opinião, tem dois equívocos. Primeiro: quem não vive de arte, tende sempre a dizer que quem vive de arte só pensa em negócio. Segundo: para mim (e muita gente) TV, cinema, internet, também são meios de criação artística. A diferença para outras formas mais eruditas de arte é que a lógica de produção de conteúdo para estes meios possui um tempo mais acelerado, o que às vezes diminui o espaço para diversidade, experimentação e construção de novos imaginários. Se para escrever e publicar um livro algumas criadores independentes levam quatro ou cinco anos, para se escrever e produzir o capítulo de uma novela, o tempo muitas vezes é meses, dias ou horas.

Tudo isso me lembrou das reflexões que venho fazendo com o músico Fábio Neves buscando entender como o consumo cultural vem acontecendo. E para isso, temos dirigido nossa atenção para a questão da experiência cultural. Quanto mais entendermos a "amplitude" da experiência cultural, maior será nossa capacidade de nos comunicarmos com nossos públicos.

Dias atrás, Fábio publicou o texto "Experiência Cultural: Video Games Live", no qual fala da relação da música com os games. Vale a pena ler. É muito bacana ver que um músico com formação erudita pode pensar em sua arte relacionada a novos formatos.

Eu mesmo venho refletindo há um tempo sobre isso. Em dezembro de 2009, publiquei "Video-game também é cultura".



Neste texto falo sobre o documentário "Continue?" que assisti no Multishow. Assista ele e responda a pergunta:

games são cultura?


*********************************************************************************



* Alê Barreto é um administrador e produtor cultural independente. Trabalha com foco na organização e qualificação dos profissionais de arte, comunicação, cultura e entretenimento. É autor do livro Aprenda a Organizar um Show, primeira publicação livre e gratuita no Brasil sobre a tecnologia de produção de shows, escreve para o site Overmundo e para a revista Fazer e Vender Cultura.

Ministra cursos, oficinas, workshops e palestras. Já atuou em capacitação de grupos culturais em parceria com o SEBRAE AC. Presta consultoria e assessoria para artistas, empresas e produtores.

Contato: (21) 7627-0690 Rio de Janeiro - RJ - Brasil




Alê Barreto é cliente do Itaú.


*********************************************************************************



O Produtor Cultural Independente gerencia os perfis das redes sociais da Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC). Receba informações pelo Facebook e pelo Twitter

Um comentário:

Lu disse...

Oi Ale.

Acredito que sim e não só cultura mas também, pode ser uma ferramenta educacional. Estamos na geração da interatividade.
Os games (video games) tem um trabalho artístico muito grande e podem aguçar, instigar novos artístas.
Vou um pouco mais além. Os jogos de RPG (Role play game) são jogos de criatividade e incentivam a leitura e a busca de novos conhecimentos para as histórias e cenários.
Tenho uma ONG que usa o RPG/Live-action como ferramenta cultural e educacional.
Vale a pena o clique: www.confrariadasideias.com.br

Continuo acompanhando seu trabalho e sou fã. Estudo na Escola MASP e já passei seu blog como referência!

Sucesso