quinta-feira, maio 19, 2011

Artistas aprendem a produzir e também ensinam lições para os produtores




Por Alê Barreto*
alebarreto@gmail.com


O vídeo acima é dos meus amigos e "irmãos de fé" da Pata de Elefante. Trata-se de uma apresentação que fizeram no "Instrumental SESC Brasil", projeto do SESC São Paulo. Todo mundo sabe que o SESC é uma das principais empresas no Brasil quando o assunto é circulação de espetáculos culturais. E todo mundo sabe que o SESC São Paulo, dentro da rede do SESC no Brasil, é uma referência em qualidade.

Anote aí: Pata de Elefante é uma banda que o SESC SP e várias outras unidades do SESC no Brasil respeitam e contratam o seu trabalho.


Neste mesmo ano de 2010, a Pata de Elefante



foi um dos grupos patrocinados pelo programa Petrobras Cultural que se apresentou em 9 cidades brasileiras através do projeto Instrumental RS, que mostrou a diversidade musical gaúcha contemporânea (escute o CD Instrumental RS e conheça também os grupos Quartchêto e Camerata Brasileira),




e lançou "Na Cidade", seu terceiro álbum, pela Gravadora Trama, até hoje na lista dos mais acessados (disponível para streaming e download gratuito).

Anote aí: Pata de Elefante é um grupo artístico que já realizou uma turnê com o patrocínio da Petrobras e que lançou um disco pela gravadora Trama.


Mas vamos voltar mais um pouquinho tempo. Em 2009, a Pata de Elefante foi a vencedora do MTV Video Music Brasil (VMB), uma premiação musical realizada pela MTV Brasil, cuja primeira edição ocorreu em 1995 com o intuito de premiar os melhores videoclipes nacionais e internacionais através da votação de sua audiência e de um júri especializado para categorias técnicas.

Na entrega do prêmio, a apresentadora perguntou: "Com relação a esta categoria nova de banda instrumental, como é que vocês estão vendo isso"?



Daniel Mossmann, um dos músicos do grupo, respondeu: "É muito bom porque mostra que tem público para este tipo de som, que tem pessoas ouvindo cada vez mais". Daniel expressou o momento que o grupo estava vivendo, mas foi humilde. Não citou que a Pata de Elefante é um dos primeiros grupos do Brasil que decidiu trilhar uma carreira artística no gênero de rock instrumental.

Anote aí: Pata de Elefante foi eleita pela audiência da MTV.





Pra encerrar, vamos ao ano de 2008. No mês de julho viajei para São Paulo e acompanhei as gravações do show que a Pata de Elefante realizou no Itaú Cultural. Este show faz parte dos DVDs e CDs da edição 2007-2009 do Rumos Itaú Cultural Música, programa que mapeia a diversidade musical brasileira contemporânea. Fiz questão de estar lá porque fui o proponente do grupo junto ao Itaú Cultural. A Pata de Elefante foi um dos 58 músicos ou grupos selecionados entre as 2.222 inscrições.

Anote aí: Pata de Elefante foi considerada pela curadoria do Itaú Cultural como um dos 58 músicos ou grupos selecionados representativos da diversidade musical da cena musical brasileira contemporânea.

Citei estas situações para que ninguém fique em dúvida. Não sou só eu que considero o trabalho da Pata de Elefante relevante, seja porque já fui empresário do grupo, seja porque gosto do gênero musical que eles tocam, seja porque sou amigo deles. SESC, audiência da MTV Brasil, Petrobras, audiência da Trama e o Itaú Cultural também consideram o trabalho da Pata de Elefante relevante.

Com todo este currículo, combinei com o grupo que eu iria trabalhar para viabilizar o show deles no Rio de Janeiro, em 2010. Me senti um pouco inseguro, pelo fato de não ter agenciado shows antes no Rio de Janeiro. Então decidi fazer parcerias.

Duas pessoas que trabalham com produção, que tem formação e experiência no Rio de Janeiro, se comprometeram a levar propostas, cada uma para um espaço cultural diferente.

O show não aconteceu em 2010. Não acho que "a culpa" é destas pessoas. Ninguém é obrigado a aceitar uma proposta de show. Mas aconteceram dois erros:

- as pessoas com quem fiz parcerias me orientaram para aguardar enquanto aguardavam o retorno das propostas. Contudo, não me deram um "prazo", apesar de eu pedir várias vezes, para que eu pudesse tentar outras ações, caso estes lugares não aceitassem as propostas;

- eu apostei cegamente que meus parceiros conheciam o mercado do Rio de Janeiro melhor que eu, que estava apenas há dois anos no Rio.

Vocês acham que estes erros meus e de meus parceiros impediram a Pata de Elefante de divulgar seu novo álbum no Rio de Janeiro? A resposta é não.



O show do vídeo acima foi realizado ontem no projeto "Urbano Instrumental" que aconteceu no Teatro Sérgio Porto.

Como a Pata de Elefante conseguiu isso? Contratou um escritório de agenciamento no RJ? Se inscreveu num edital? Fez um projeto? Simplesmente se articularam com o grupo Os Dissidentes e organizaram sua produção "de músico para músico".


Este episódio mostra que nós produtores nunca podemos nos "julgar" mais aptos para fazer as coisas que os músicos. Muitas vezes os músicos dão boas lições de praticidade e objetividade.


*********************************************************************************



* Alê Barreto é um administrador e produtor cultural independente. Trabalha com foco na organização e qualificação dos profissionais de arte, comunicação, cultura e entretenimento. É autor do livro Aprenda a Organizar um Show, primeira publicação livre e gratuita no Brasil sobre a tecnologia de produção de shows, escreve para o site Overmundo e para a revista Fazer e Vender Cultura.

Ministra cursos, oficinas, workshops e palestras. Já atuou em capacitação de grupos culturais em parceria com o SEBRAE AC. Presta consultoria e assessoria para artistas, empresas e produtores.

Contato: (21) 7627-0690 Rio de Janeiro - RJ - Brasil




Alê Barreto é cliente do Itaú.


*********************************************************************************



O Produtor Cultural Independente gerencia os perfis das redes sociais da Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC). Receba informações pelo Facebook e pelo Twitter

2 comentários:

osdissidentes disse...

Alê, du caralho o seu texto. Fico lisonjeado com o modo que você trata a maneira como o Urbano Instrumental foi realizado. De fato, nem eu mesmo sabia que como músico, seria um produtor cultural tão eficaz.
Acho que o Rio, vez por outra, subestima seus próprios potenciais. A tão descolada e antenada Zona Sul muitas vezes empaca em sua prórpia provincialidade. Talvez o que tenha faltado anteriormente tenha sido visão e que os produtores cariocas tenham esbarrado no mito de que Rock no Rio é coisa de suburbano, "pro lado de lá do tunel Rebouças". Não sei... mas tenho a sensação que a cena afro-samba-forró-bermuda-e-chinelo carioca ofusca as demais demandas culturais da população carioca, inclusive de suas classes mais abastadas.
É isso aí...
abraço
Roberto Souza (baixista dos Dissidentes e produtor do Urbano Instrumental).

Alexandre Barreto disse...

Olá Roberto!
As razões para as coisas não acontecerem são muitas.
O importante é que vocês realizaram e vão continuar realizando. Quanto as outras cenas, mesmo não sendo a sua preferência, é importante estabelecer diálogos com eles.
Gostei muito do som dos Dissidentes!
Um abraço!
Alê Barreto