domingo, maio 12, 2019

Ter ou não ter Ministério da Cultura no Brasil, eis a questão

Teixeira Coelho/ crédito: jcrs.uol.com.br



Por Alexandre Barreto*



O impacto da extinção do Ministério da Cultura e sua incorporação ao Ministério da Educação, ocorrida em janeiro deste ano ainda é uma incógnita. O assunto divide opiniões. E não é de hoje. Começou nos anos 80, com a luta pelo desmembramento do Ministério da Cultura que desde 1953 estava atrelado ao Ministério da Educação. Depois, em 1990, foi transformado em Secretaria da Cultura no governo Collor, vinculada à Presidência da República. Em 1992 teve esta situação revertida no governo Itamar Franco. Em 2016, após o Impeachment da presidente Dilma Roussef, novamente foi extinto e reincorporado ao Ministério da Educação, decisão que foi revertida meses depois.

O que me chamou atenção neste episódio é que tanto as defesas quanto os ataques feitos ao Ministério da Cultura não levaram em consideração a necessidade de se pensar sobre o fato em si: devemos ter ou não ter um Ministério da Cultura?

Lembrei então de uma entrevista que a BBC Brasil fez sobre o episódio de 2016, com Teixeira Coelho, no qual ele apresenta um ponto de vista sobre o tema. Para quem não o conhece, é um dos maiores intelectuais sobre o tema políticas culturais no Brasil. Um pouco do currículo dele, extraído do site do Itaú Cultural: possui graduação em Direito (1971) pela Universidade de Guarulhos, mestrado em Ciências da Comunicação (1976) pela ECA-USP, doutorado em Teoria Literária e Literatura Comparada (1981) pela FFLCH-USP e pós-doutorado pela University of Maryland, EUA (2002). É professor titular aposentado e Professor Emérito da ECA-USP. Foi diretor do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP (1998-2002), curador-coordenador do Museu de Arte de São Paulo (MASP) (2006-2014), co-curador da Bienal de Curitiba 2013 e curador-chefe da Bienal de Curitiba 2015. Foi professor de Teoria da Informação e Percepção Estética e de História da Arte da Faculdade de Arquitetura da Universidade Mackenzie . É especialista em Política Cultural e colaborador da Cátedra Unesco de Política Cultural da Universidad de Girona, Espanha. É coordenador do curso de especialização em gestão e política cultural do Observatório Itaú Cultural. Ficcionista, é também autor de diversos livros sobre cultura e arte. Ganhou o Prêmio Portugal Telecom 2007 pelo livro História Natural da Ditadura, publicado em 2006.


Leia a entrevista





*************************************



Leia "O Produtor Independente vai ampliar sua linha editorial"


[Gostou do conteúdo? 
Obrigado! Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com . Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]


*************************************





* Alexandre Barreto é administrador pela Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (EAD/UFRGS), produtor e gestor cultural com especialização pelo Programa de Estudos Culturais e Sociais da Universidade Cândido Mendes (UCAM) e Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) no Rio de Janeiro e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Autor dos livros Aprenda a Organizar um Show e Carreira Artística e CriativaSaiba mais

5 comentários:

ركن الامثل disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
ركن الامثل disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
ركن الامثل disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
ركن الامثل disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
ركن الامثل disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.