quarta-feira, fevereiro 08, 2017

Experimente escrever


Sting fala no TED como começou a escrever músicas novamente




Por Alê Barreto
Uma pessoa que dissemina conhecimentos e atua em redes para promover mudanças



Cresce a cada dia o hábito de ocupar a cabeça com leitura. Lemos nossas telas de smartphones o tempo todo. Lemos a tela da TV. Lemos anúncios. Lemos placas de sinalização. Lemos todo o tipo de informação que nos chega. Ocupamos boa parte do nosso tempo lendo.


Toda essa leitura gera milhares de pensamentos. Nem chegamos a terminar de pensar sobre alguma coisa e já vamos para o próximo pensamento. Aí chega uma hora que cansamos de pensar. É quando ocorre o congestionamento de pensamentos, a “hora do rush” em nosso cérebro.


O esgotamento, o cansaço da leitura constante e o turbilhão de pensamentos provocados pela conectividade, simultaneidade e instantaneidade do admirável mundo novo digital, está liquidando com o nosso tempo livre, aquele de não fazer nada. O professor Mario Sergio Cortella fala sobre isso no livro “A Era da Curadoria”. Está praticamente entrando em extinção os momentos de “não ter o que fazer”. O tempo todo, as pessoas estão lendo, sem pausa, sem trégua.


Lembro de uma época em que chegar num aeroporto, rodoviária, consultório médico, era a certeza de participar de uma inesperada conversa. Hoje é a certeza de ver gente lendo, manipulando ansiosamente telefones e tablets. Nem vou falar sobre a qualidade do que está sendo lido. Isso já é assunto para outro texto.


Ler o tempo todo ocupa todo o nosso tempo. Ao ocupar todo nosso tempo, ficamos sem tempo para criar. E criar não é só uma necessidade das pessoas que trabalham nos setores da Economia Criativa (arte, cultura, entretenimento). Criar é uma necessidade de todos.


Todo mundo já pensou em criar alguma coisa que não faz parte de sua rotina. Uma viagem. Fazer um evento. Realizar uma atividade voluntária. Participar mais ativamente na política. Cuidar de um sítio. Montar uma banda de rock. Cantar em um coral. Escrever um livro.


A única maneira de dar vazão a esta criatividade é diminuir o ritmo da leitura do que não muda nada em sua vida e começar a trazer as ideias para o papel ou para tela do computador.


Experimente escrever.




[Gostou do conteúdo? Comente para pessoas que tenham interesse no tema e divulgue no seu mailing e redes sociais. Obrigado! Se você achar que o texto não ficou claro, envie sugestões de melhorias para alebarreto@gmail.com Quero aprender com você. Cadastre-se e receba conteúdos enviando seu e-mail para alebarreto@gmail.com]




Assista sem pressa, também: 


Palestra "A Era da Curadoria: O que Importa é Saber o que Importa" de Mario Sergio Cortella no Café Filosófico CPFL

Assista também a palestra de Sting no TED Talks Vancouver BC, março de 2014. 

(Os primeiros anos da vida de Sting foram dominados por um estaleiro -- e ele sonhava com nada menos que escapar da labuta industrial. Mas depois de uma crise de bloqueio criativo que se estendeu por anos, Sting se encontrou canalizando em material musical as histórias dos trabalhadores do estaleiro que conheceu durante sua juventude. Numa palestra lírica e confessional, Sting nos serve músicas de seu próximo musical, e um bis de "Message in a Bottle".)



**************************************

tags: A Era da Curadoria, aprender a escrever, Gilberto Dimenstein, Mario Sergio Cortella, Message in a Bottle, Sting, Ted Talks, Vancouver BC

Nenhum comentário: